quarta-feira, 19 de abril de 2017

SOU FUNDAMENTALISTA GRAÇAS A DEUS!


"As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem;"
(João 10:27)

“Você é fundamentalista”? Se essa pergunta nos fosse dirigida, certamente responderíamos com um sonoro “não”! As cenas trágicas e cruéis sobretudo da intolerância religiosa, levam invariavelmente a maior parte das pessoas a relacionar uma coisa com a outra. Mas isso é um equívoco. O conceito de fundamentalismo tem sua origem na palavra fundamento. Não há casa que possa ser construída sem fundamento, não há argumento que possa ser formulado sem fundamentos, não há existência humana sem fundamento. Nesse último aspecto, todos somos (ou deveríamos ser) fundamentalistas, pois todos necessitamos de fundamentos, de alicerces para a nossa existência, e quem deles desistir estará desistindo de si mesmo. O trágico das formulações de nossos dias, porém, é que “fundamentalistas” são sempre os outros e jamais nós mesmos.

Há muito tempo, porém, eu tenho convivido sem esse dilema e me assumido sem qualquer reserva ou temor como um cristão bíblico e fundamentalista naquilo que vivo, prego e creio.

Somente a Bíblia
O termo "Sola Scriptura", ou "somente a Bíblia", é uma frase curta que representa uma simples verdade, a saber, que existe e possuímos somente uma revelação especial de Deus e ela constitui as Escrituras (a Bíblia, a Palavra escrita). As Escrituras declaram este conceito repetida e enfaticamente. A exata frase "está escrito" significa que a Bíblia é exclusiva e totalmente transcrita de Deus [cada e todas as palavras da Bíblia, e só dela, são rigorosamente de Deus, perfeitas, perfeitamente ditadas por Deus ou por Ele perfeitamente escolhidas no vocabulário do escritor e assopradas na mente deste, perfeitamente registradas, e perfeitamente preservadas], a Bíblia não resulta de nenhum intelecto terreno, de palavras imprecisas, de rumor falivelmente transmitido e falivelmente registrado por falíveis homens. O mandamento para crer o que está escrito significa crer somente na pura Palavra de Deus. O que está em julgamento de vida ou morte, perante o Deus Santo é o crermos, obedecermos e defendermos a Sua verdade incorruptível: a Bíblia.

No último mandamento na Bíblia, Deus resolutamente nos diz para não adicionarmos nem subtrairmos nada da Sua Palavra. "Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro." (Apocalipse 22:18-19)

A Sua Palavra é absolutamente suficiente em si própria. (Salmos 119:160) "A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre."

A mensagem bíblica assoprada por Deus é revelação em forma escrita (II Timóteo 3:15-16) “E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;”. A reivindicação bíblica é que aquilo que Deus tem inspirado é a Sua Palavra que foi escrita (II Pedro 1:20-21) “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” Quando o Senhor Jesus Cristo disse:"A Escritura não pode ser anulada" (João 10:35), Ele estava falando da Palavra de Deus escrita. Os eventos, ações, mandamentos e verdades de Deus nos são dadas em forma proposicional, isto é, em forma de sentenças lógicas escritas. A declaração de Deus nas Escrituras é que ela, e somente ela, é a autoridade final em todas as questões de fé e moral.

Portanto, existe somente uma fonte escrita provinda de Deus. Para o povo de Deus nas igrejas, existe somente uma base para conhecer a verdade – a Bíblia.

Afirmado por Jesus Cristo 
O próprio Senhor Jesus Cristo, em pessoa, identificou a verdade como sendo a Palavra escrita. Na Sua oração como Sumo Sacerdote, Ele disse: "Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade." (João 17:17). Isto foi consistente com as declarações através de todo o Velho Testamento, nas quais o Espírito Santo continuamente proclama que a declaração vinda de Deus é a verdade, como, por exemplo, em  (Salmos 119:142), "a tua lei é a verdade." Não há nenhuma outra fonte (a não ser, somente, as Escrituras) à qual uma tal declaração se aplique. Somente aquela fonte, as Santas Escrituras, é que são o padrão do cristão quanto ao que é a verdade.

No Novo Testamento, é a Palavra escrita de Deus, somente ela, à qual o Senhor Jesus Cristo e Seus apóstolos se referem como sendo a autoridade final. Na tentação, três vezes o Senhor Jesus resistiu a Satanás, dizendo: "Está escrito", como, por exemplo, em Mateus 4:4, "Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus." Ao declarar "Está escrito" o Senhor usou exatamente a mesma frase que é usada quarenta e seis vezes na Santa Bíblia. A persistência da frase repetida enfatiza a sua importância. A total aceitação da autoridade do Velho Testamento, pelo Senhor, é evidente em Suas palavras encontradas em Mateus 5:17-18: "Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido."

Outras fontes de autoridade são condenadas
As pessoas frequentemente tentam dar às tradições humanas e às transformações culturais, maior autoridade do que à Palavra de Deus. Isto foi verdade com respeito aos judeus nos dias de Jesus. Ao refutar os erros dos Saduceus, as Escrituras registram o Senhor dizendo:  "... Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus." (Mateus 22:29). Jesus Cristo continuamente repreendeu os Fariseus porque colocavam suas tradições no mesmo nível da Palavra de Deus - assim corrompendo a base da verdade através de tomarem as suas tradições como equivalentes à Palavra de Deus. Por isto, Jesus declarou-lhes, em Marcos 7:13, "Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas."

Uma vez que somente as Escrituras são inspiradas, somente elas são a suprema autoridade e somente elas são o juiz final, que faz o julgamento final da Tradição.

A Palavra do Senhor traz um mandamento em Provérbios 30:5-6: "Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso."

Deus ordena que não devemos adicionar coisa alguma à Sua Palavra: este mandamento mostra, enfaticamente, que é a Palavra de Deus, e somente ela, que é pura e incontaminada.

Alinhada juntamente com os Provérbios 30:5-6, a forte e clara declaração do Senhor em Isaías 8:20 é: "À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles." A verdade é esta: uma vez que, somente a Palavra de Deus escrita é inspirada, ela é a única regra de fé. Não pode ser de outra forma.

Como a Escritura deve ser interpretada?
O princípio de "somente a Escritura" é básico para a acurada interpretação da Escritura. Salmos 36:9 explana: "Porque em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz.." A verdade de Deus é vista sob a luz da verdade de Deus. O apóstolo Paulo disse a mesma coisa, "As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais." (I Coríntios 2:13). É precisamente naquela luz na qual a verdade de Deus se abriga, que a Sua verdade é vista. (Compare João 3:18-21; II Coríntios 4:3-7).

O apóstolo Pedro declara, sob a inspiração do Espírito Santo: "Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo." (II Pedro 1:20-21). Portanto, logicamente, Pedro deixa muito claro que, para se manter a pureza da Santa Palavra escrita de Deus, a fonte de interpretação tem de ser a mesma fonte pura que originou as próprias Escrituras.

As Escrituras só podem ser corretamente entendidas à luz das Escrituras, uma vez que somente elas são infalíveis e inerrantes. É somente com a luz do Espírito Santo que as Escrituras podem ser corretamente compreendidas. O Espírito Santo faz com que aqueles que são do Senhor (isto é, os salvos) entendam as Escrituras (João 14:16-17, 26) “O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. ...Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.” Uma vez que o Espírito faz isto através das Escrituras, obviamente o faz de acordo com o princípio de que as próprias Escrituras são a infalível regra de interpretação de sua própria verdade "... E o Espírito é o que testifica, porque o Espírito é a verdade." (I João 5:6).

Se você deseja ser fiel a Deus nesta importante questão, siga a Sua instrução, "Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras" (Provérbios 1:23). Se você está anelando pela verdade, e tem a atitude de  Salmos 51:17 (isto é, mantém "um coração quebrantado e contrito"), o Senhor Deus não o irá desprezar. Ele revelará as fundações básicas sobre as quais o Senhor Jesus Cristo e os apóstolos se apoiaram e se ergueram de pé.

Somente as Escrituras nos bastam ou precisamos de algo mais?
A total suficiência das Escrituras é declarada pelo apóstolo Paulo,
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra." (II Timóteo 3:16-17).

Para termos a autoridade e verdade finais, tudo que necessitamos é das Escrituras.

Numa tentativa de justificar tradições como sendo de autoridade igual ou superior à das Escrituras, frequentemente se tem [erroneamente] apelado para o último versículo no evangelho de João, que diz: "Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém." (João 21:25).

Naturalmente, houve muitas ações e declarações do Senhor não registradas nas Escrituras. Mas isto não faz que a Escritura não seja o pleno registro autoritativo que o Senhor tem dado ao seu povo. Nós não temos sequer uma sentença que é autoritativamente provinda do Senhor, fora daquilo que está na Palavra escrita.  Apelar para uma tradição para obter autoridade, quando o Santo Deus não a deu, é fútil, inútil e herético. A ideia de que, de algum modo, os dizeres e eventos provindos do Senhor têm sido registrados através da tradição, é, simplesmente, não verdadeira.

Uma outra tentativa de justificar tradição é a declaração que a igreja primitiva não teve o Novo Testamento. O apóstolo Pedro fala a respeito dos escritos do apóstolo Paulo quando declara,

"E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição." (II Pedro 3:15-16) 

Pedro também declarou que estava escrevendo para que os crentes pudessem relembrar o que ele tinha dito. Portanto ele escreveu "Por isso não deixarei de exortar-vos sempre acerca destas coisas, ainda que bem as saibais, e estejais confirmados na presente verdade." (II Pedro 1:12)

Desde os primeiros dias do Cristianismo, uma parte substancial do Novo Testamento estava disponível. Sob a inspiração do Senhor, o apóstolo Paulo ordenou que suas cartas fossem lidas em outras igrejas além daquelas para as quais elas foram enviadas. Isto, claramente, mostra que a palavra escrita de Deus estava sendo circulada mesmo enquanto os apóstolos viviam. O Senhor ordenou crer que o que está escrito tem sempre sido algo que os crentes podem obedecer e, na realidade, obedecem. Neste assunto, devemos ter a humildade ordenada nas Escrituras para não pensarmos acima daquilo que está escrito."... para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro." (I Coríntios 4:6)

Verdade, a Palavra de Deus, e nosso amor por Ele
O Senhor traz o tópico da verdade, tendo por objetivo fortalecer nosso amor a Si. Isto, novamente, enfatiza sua importância. "Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou." (João 14:23-24), e, novamente, "O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar." (Mateus 24:35).

O próprio Senhor encarava somente as Escrituras como autoritativas. Seus apóstolos, idem. O Senhor e Seus apóstolos confirmaram a exata mensagem do Velho Testamento. "A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices." (Salmos 19:7).  

Diante dessas argumentações solidamente teológicas eu afirmo e reitero meu fundamentalismo bíblico. E digo mais: o fracasso moral e doutrinário desta geração cristã é derivado justamente do relativismo abraçado pela maioria acerca desse tema. Palavras de supostos profetas e de falsos apóstolos estão tomando o lugar das Escrituras. Interpretações totalmente desprovidas de valor hermenêutico e exegético, também oriundas destes mesmos supostos profetas e apóstolos, estão norteando a postura decadente de muitos cristãos atuais. Esse é um cenário que precisa ser mudado. O verdadeiro filho de Deus deve ser fiel aos mandamentos e exemplos do Senhor, retendo e agarrando-se somente ao que está escrito e em oração declarar a Deus: "A Tua Palavra é a verdade.”

Precisamos urgentemente voltar às Escrituras. Precisamos de uma nova Reforma. Precisamos de um reavivamento fundamentalista. Não para a prática do terrorismo, não para abraçar a intolerância, não para impormos à força nossa forma de pensar, não para julgarmos que somos melhores ou superiores em relação aos nossos discordantes. Precisamos ser fundamentalistas justamente para aprender o oposto, para entender o que é e como se vive na dimensão do amor de Deus. Isso só é possível com Bíblia e não com tradições e interpretações humanas.

Eu sou um fundamentalista bíblico. E você?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Breve iremos analisá-lo com todo carinho. Que Deus lhe abençoe!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...