sábado, 15 de abril de 2017

O DÍZIMO FOI ABOLIDO COM A VELHA ALIANÇA OU PERMANECE?

Fico pensando aqui comigo como seria bom e produtivo se pudéssemos ter um debate acerca de dízimos e ofertas sem que isso nos trouxesse qualquer embaraço ou constrangimento. Como seria útil ao reino um levantamento de nossos recursos terrenos aplicados à Obra, sem que isso suscitasse na opinião pública, suspeitas, acusações ou mesmo piadas sujas e de comprometimento ético ou moral contrários à igreja.

Mas a verdade é que isto já foi assim um dia e não faz tanto tempo. Esta presente geração de cristãos já nasceu enlameada pela influência da apostasia pré anticristã e até mesmo já se acostumou com o antinatural, convivendo em diálogo pacífico com realidades inaceitáveis, contra as quais todo cristão comprometido com o santo evangelho deve protestar, combater e repudiar.
Talvez você que me escuta agora tenha apenas dez, quinze anos ou menos no evangelho e não saiba do que falarei aqui, mas a verdade é que já existiu uma época neste país e na igreja deste país em que a imagem da igreja não estava associada a poder, riquezas e ostentações. Sim, houve uma época em que igrejas históricas, renovadas ou pentecostais se igualavam no respeito pelos padrões morais estabelecidos pelas Escrituras. Época em que a melhor casa do bairro não era a do pastor, em que pastores não transitavam em carros importados e nem viajavam de jatos particulares. Houve uma época em que igrejas não pagavam milhões por horários na tv e muito menos compravam emissoras de tv. Houve uma época em que ninguém ousava ensinar que dízimo é investimento e nem uma forma de barganhar bênçãos com Deus. Houve uma época em que as vassouras da igreja serviam para varrê-la e não para serem vendidas como amuletos ungidos antidemoníacos para os lares. Houve uma época em que líderes cristãos não patrocinavam orgias regadas a prostituições e whiskies importados. Houve uma época em que pastores não vestiam ternos de grife italiana. Houve uma época em que nenhum pastor se atreveria a ser chamado de apóstolo e nenhuma igreja se envolvia em escândalos financeiros. Época em que as igrejas tinham seu departamento próprio de tesouraria e conselho fiscal, que de forma transparente geriam e prestavam contas dos recursos recolhidos e isso não era oficio de pastor.
Houve uma época em que não havia disputa entre as denominações, em que grupos cristãos se recusavam a pescar em aquários alheios, época onde as igrejas sentiriam vergonha de serem erguidas com requintes de luxo e ostentação. Os templos suntuosos de hoje são um ultraje aos humildes santuários de adoração daquela época. Quem viveu o que estou afirmando sabe que as multidões em transe ensandecido que gritam nos palácios religiosos de hoje jamais sentiram aquela unção e presença de Deus que sentíamos nas humildes igrejinhas do passado, a começar pela singeleza dos hinos tradicionais que cantávamos para Deus e culminando com as pregações sempre bíblicas e cristocêntricas – muito diferentes da retórica mercadológica e neurolinguística dos pregadores atuais.
Houve um tempo em que os pregadores do evangelho gastavam seus recursos e sua saúde física para irem de encontro aos seus ouvintes. Tempo em que você estaria ofendendo um homem de Deus se oferecesse dinheiro e hotel para que ele fosse pegar na sua igreja.
Houve um tempo em que nenhum levita ou adorador aceitaria ser chamado de cantor, em que era fácil identifica-los em nosso meio com suas maletinhas cheias de playbacks, trajados com decência e sempre com a Bíblia na mão, prontos para darem aquela Palavra temperada com sal antes de cantarem hinos inspirados e ricos de conteúdo bíblico. Era uma época em que se cantava para Deus e não para o bolso.
Sim meus irmãos, houve uma época, e não faz tanto tempo assim – há talvez 25 ou 30 anos – em que as coisas de Deus eram feitas e tratadas com decência.
Portanto, falo aqui não em nome de uma utopia, mas em nome de um padrão de comportamento que não teria se tornado apenas lembranças do passado, se pessoas sem escrúpulos e desprovidas de caráter não tivessem invadido os púlpitos de nossas igrejas. Logo, antes de levantarmos uma discussão acerca do certo e do errado quanto ao recolhimento de dízimos, tenhamos em mente que a grande diferença está no perfil humano que hoje se encontra por trás deste grande número de cassinos religiosos, que por respeito a quem faz a Obra com honestidade e zelo santo, eu me recuso a chamar de igrejas.
A palavra dízimo é encontrada pela Primeira vez na Bíblia em (Gn 14). Significa colheita ou ceifa. Naquele contexto em seu inicio, percebemos que foi uma atitude voluntária,  quando depois de uma guerra, Abraão ofereceu a um sacerdote chamado Melquisedeque. Jacó, seu neto, também comprometeu-se voluntariamente a dar dízimos. Esse dízimo nunca foi dinheiro e sim cereais. E é bom lembrar que já havia naquela época moedas cunhadas com valor monetário. Portanto se o princípio originário do dízimo envolve-se dinheiro, eu entendo que tanto Abraão como Jacó possuíam muito e dariam sem problema algum, só que não é assim que observamos no relato bíblico. Não há a presença de dinheiro neste processo, sendo este preceito totalmente diferente da prática religiosa estabelecida na ordem levítica da lei de Moisés, onde o Dízimo significa a décima parte de algo, entregue voluntariamente ou através de taxa ou imposto, para ajudar organizações religiosas judaicas segundo a Lei de Moises (Lv 27, 30, 32), (Malaquias 3:10), (Hb 7:5). Segundo a ordem levítica o dizimo era dado exclusivamente aos levitas (I Co 15:2), (Hb 7.5), (Hb 7.11)
Seu início se deu porque dentre as 12 tribos de Israel,  a mais pobre era a tribo de Levi. Então as tribos mais prosperas deveriam repartir mantimentos com a tribo menos favorecida justamente porque elas tinham colheitas em abundancia e não necessitavam de tantos mantimentos. Guardar tudo para elas mesmas significaria acumular tesouro o que é terminantemente proibido por Deus. A tribo de Levi por sua vez também ofertava a viúvas, órfãos e necessitados (Dt 26:12), repartiam com os estrangeiros, já que Israel no passado também já foi estrangeira, significando assim amor ao próximo.
Naquela localidade e época, o conceito de benção era chuva para a colheita, maldição era seca, o devorador eram os gafanhotos, tudo isso definitivamente nada tem a ver a associação do devorador com o demônio nem benção com prosperidade financeira, como ensinam os púlpitos equivocados ou fraudulentos de hoje. Em toda Bíblia não existe uma única citação que ampare este tipo de heresia.

Segundo a LEI apenas os LEVITAS poderiam recolher o dizimo. Os lideres religiosos de hoje que recolhem o dizimo, não são da tribo de Levi, não são Judeus e não fazem parte da Lei de Moisés. Este costume existiu de Abraão, até Levi (Hb 7:9), nessa passagem Paulo explica que, o dizimo termina em Levi e por ser Cristo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedec, este ab-rogou (aboliu) o sacerdócio levítico com todas as suas leis, dízimos e costumes, conforme narra  Paulo na carta endereçada aos Hebreus (Hb 7, 1 - 28). Ali Paulo arremata: "Com efeito, mudado que seja o sacerdócio, é necessário que se mude também a lei"  (Hb 7.12). E ainda: "O mandamento precedente é, na verdade, ab-rogado pela sua fraqueza e inutilidade" (Hb 7:18). OBS: SACERDOTE SÃO LÍDERES RELIGIOSOS DA TRIBO DE LEVI.
Quem entende que o velho testamento e seus preceitos foram abolidos por Cristo segundo o Apostolo Paulo (II Co 3:14), as mesmo assim apoiam o uso do dizimo, citando a passagem do Novo Testamento onde Jesus critica os Escribas e Fariseus que lembram apenas do dizimo e esqueciam os outros preceitos da lei (Mt 23:23), precisam compreender que segundo a lei de Móisés no antigo testamento, aqueles dois homens que Jesus criticou, eram obrigados a dar o dizimo, o cominho e hortelã porque eram Judeus e ainda estavam sob o manto da lei de Moisés e não da graça, que tem seu inicio com a morte de  Jesus. E isto se deu quando Ele bradou “Esta consumado.” Naquele momento Cristo adentrou a nova aliança da graça, que estamos hoje. Portanto,  neste contexto Jesus está lançando uma forte exortação sobre aqueles religiosos que só lembravam do dízimo e esqueciam dos outros preceitos da Lei. Jesus estava provando que eles que tanto usavam a lei para acusá-lo, não estavam cumprindo sequer essa lei de que faziam uso em seus argumentos. Assim, definitivamente Ele não está ali orientando aos Gentios (nós) a praticar o preceito do dízimo veterotestamentário. Cristo e Seus discípulos jamais orientaram para que permanecêssemos no preceito do dizimo. Dessas questões, o que Jesus de fato preservou foi a caridade, ou seja, ajudar o necessitado e ofertar ao próximo. (Is 1:17), (Tg 1:27).
Importante também considerar que atender a viúva e o órfão ou o necessitado de qualquer instância, não é nenhuma transferência de responsabilidade. Não significa fazer o líder ter esta obrigação, dando a ele pra ele dar aos outros. Não é assim que funciona. É você quem deve assumir essa postura de amor ao próximo. Isso é pessoal, é um hábito que devemos ter e que deve ser observado e honrado apenas por Deus e mais ninguém.
Assim, meus amados, concluímos então neste primeiro momento de análise do tema em questão que o dizimo nos moldes estabelecidos pela Velha Aliança e que é tão respaldado desta forma em nossos dias, não é mais uma prática desse tempo, não é um atributo para os Gentios, pois o líder que recebe dízimos e os administra não pertence à tribo de Levi. Permanecer no preceito da lei é o mesmo que negar o sacrifício da cruz de Cristo, que segundo a própria lei, seria abolida, na vinda do Salvador Messias. Permanecer no preceito da Lei é o mesmo que negar a eficácia da cruz de Cristo. Quem usa Malaquias 3:10 e aterroriza os incautos com ameaças de maldição e ainda por cima ofende o povo de Deus, chamando de ladrões aqueles que não seguem esta prática à risca, deveriam também guardar o sábado e outros aspectos cerimoniais da lei. Escolher a manutenção do dízimo e abolir os demais cerimonialismos judaicos é um ato no mínimo suspeito e aponta para sintomas de desonestidade ou, na mais leve das hipóteses, de grave ignorância teológica. O dizimo segundo os moldes do AT pode ser recolhido de acordo com a palavra do homem, mas não de acordo com a Escritura no Novo Testamento, e quem defende esta prática nestes moldes é tão judaizante quanto aqueles que foram combatidos pelos Apóstolos no primeiro século.

Mas após, todas estas considerações, muitos certamente irão descambar para a pragmática dedução de que o Pr. Reinaldo Ribeiro é contra o recolhimento de dízimos e ofertas. Estão enganados! Sou contra a farra maldosa e criminosa que se estabeleceu e que gerou em nosso meio uma indústria milionária, que transformou igrejas em multinacionais religiosas e pastores em caciques de impérios financeiros. Sou contra o estelionato que usurpa o nome de dízimo, mas que dízimo nunca foi e que é patrocinado por ateus travestidos de pastores e por maçons que aplicaram seu olhar empresarial sobre a Obra de Deus, tornando-a o braço mais lucrativo de seus negócios.

A lei foi abolida, mas seus princípios são eternos. Se formos literalistas e rasos neste entendimento, seremos forçados a dizer que o VT não é Palavra de Deus e que somente o NT deve ser recebido como autoridade de fé e prática. Mas nenhum cristão com o mínimo de responsabilidade teológica pode defender uma barbaridade desse nível.

Nós não guardamos o sábado, por exemplo, mas o princípio do descansar em Deus – que se cumpre em Cristo reinando em nossas vidas – representa a manutenção do princípio sabático. O raciocínio quanto ao dízimo é o mesmo. Não há base bíblica para estabelecermos um tributo religioso de 10% dentro de nossas igrejas. Nenhum pastor pode administrar recursos financeiros, pois não é sacerdote levítico, nenhum irmão em dificuldades financeiras e que por esta razão não consegue contribuir com uma alíquota estabelecida deve ser acusado de estar roubando a Deus, nem mesmo a obrigatoriedade de uma entrega necessariamente em dinheiro e com taxa prefixada pode existir em nosso meio. Isso tudo foi abolido com a lei. O que é prevalece é o princípio do dízimo, que consiste no gesto voluntário e não opressor de apoiar a Obra de Deus com os necessários recursos deste mundo.

O termo dízimo poderia ser retirado sem nenhum problema da vida cristã, contudo sua manutenção não representa nenhum pecado, na medida em que sua aplicação respeite os princípios de fato cristãos e bíblicos. Hoje, dizimar nada mais é do que contribuir com a Obra e isto se insere na proporcionalidade financeira de cada um, na segurança de que esta entrega não comprometerá a estrutura do sustento familiar de ninguém e na certeza de que o dinheiro entregue na igreja não compra a benção dos céus. Já ouvi líderes religiosos usando o termo “investimento” quando pedem dinheiro aos seus fiéis. Isso é um crime, uma blasfêmia, uma heresia que meu universo semântico não consegue traduzir. Dizimar, em nossos dias, implica em ato de amor, de liberalidade e de desapego à ganância materialista. Quem dizima numa igreja séria está contribuindo com Missões e desta forma se torna instrumento para a salvação de outras vidas. Não está dando dinheiro para pastores. Está dividindo suas próprias bênçãos com os menos favorecidos – e isto é princípio fundamental da fé cristã.

Os dízimos e as ofertas nestes moldes que falo (e não no da Velha Aliança, que gera ameaças e opressões da parte de alguns líderes desonestos) é o modelo mais ético. Decente e coerente para a sobrevivência da igreja. Toda instituição séria sobrevive de seus próprios membros e não de recursos externos e escusos. Tudo que a igreja faz deve ser financiado e gerido por receitas levantadas deliberadamente por seus próprios fiéis. Suas edificações (que devem ser sempre modestas e necessárias), suas aquisições, seus projetos, o sustento de seus obreiros e suas campanhas missionárias devem ser garantidas pelos dízimos e ofertas levantados voluntariamente por aqueles que compõem a comunidade da fé. Ao fazem isto, estes colaboradores não estão assegurando nenhum lote no céu, não estão ganhando imunidade contra pobreza ou doenças, não estão negociando barganhas com Deus de qualquer espécie e muito menos estão fazendo nenhum indecente investimento para lucrarem valores maiores mais adiante. Este ensino é diabólico, criminoso, impostor, blasfemo e digno do nojo e do repúdio de todo autêntico filho de Deus.

Uma igreja que não se mantém decentemente por meio de seus dízimos e ofertas será tentada a angariar outros meios de sobrevivência e assim acabará sucumbindo à triste lógica dos nossos dias, onde verdadeiras empresas com nome de igrejas abrem e fecham portas às milhares todos os dias por todo país. Sem falar que também serão formidáveis currais eleitorais para políticos nefastos compradores de votos. Igrejas sérias recolhem dízimos de forma bíblica e ética, sem oprimir seus fiéis e sem mentir no verdadeiro valor e significado desta prática.

Eu tenho muito orgulho de pastorear uma igreja que recolhe seus dízimos e ofertas sem nenhum peso de consciência. Há trinta anos quando aceitei a Jesus não havia nenhuma polêmica em torno deste assunto, porque predomina o compromisso com Deus e com a moralidade bíblica. Hoje, temos empresários comandando igrejas e por isso o dízimo se tornou uma pauta maldita para muitos. Voltemos á simplicidade do evangelho, sejamos honestos e decentes e todo dinheiro que circular em nossas igrejas será objeto de benção e não argumento de escândalo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Breve iremos analisá-lo com todo carinho. Que Deus lhe abençoe!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...